Apesar das crescentes pressões do governo norte-americano para que as empresas do país não estendam suas cadeias de suprimentos a locais da China acusados da prática de trabalhos forçados, a Amazon continua contrariando as determinações governamentais. Na segunda-feira (7), o grupo de vigilância Projeto de Transparência Tecnológica (TTP em inglês) denunciou a existência de cinco fornecedores da Amazon em situação irregular.

De acordo com o TTP, um grupo de pesquisa administrado pela organização sem fins lucrativos Campaign for Accountability, os fornecedores denunciados produzem dispositivos e produtos com a marca Amazon Basics, mas estão ligados aos chamados programas de “transferência de mão de obra” chineses.

Ainda segundo o relatório, alguns dos vendedores terceirizados da Amazon podem mesmo estar trabalhando diretamente com produtos oriundos da região ocidental chinesa de Xinjiang, lugar onde o governo do país alocou centenas de milhares de uigures e outras minorias étnicas, para realização compulsória de trabalhos manuais extenuantes. As importações da região são consideradas “contaminadas por trabalhos forçados” nos EUA.

O que diz a Amazon?

Fonte: GoToVan/Flickr/Reprodução.Fonte: GoToVan/Flickr/Reprodução.Fonte:  GoToVan/Flickr 

A Amazon negou as denúncias do TTP divulgadas pela NBC. Em um comunicado, a porta-voz da empresa, Erika Reynoso, afirmou que “a Amazon cumpre as leis e regulamentos em todas as jurisdições em que opera e espera que os fornecedores cumpram nossos Padrões da Cadeia de Suprimentos”. Sobre a acusação da exportação de trabalho forçado, ela disse que “sempre que encontramos ou recebemos provas de trabalho forçado, agimos”.

A diretora do TTP, Katie Paul, destaca que os negócios da Amazon têm uma forte ligação com a China, embora a companhia esteja até agora livre da acusação de envolvimento com empresas ligados ao trabalho forçado, como ocorre com outras Big Techs. A produção em massa de produtos tradicionais da gigante de Seattle, como os dispositivos Kindle e Echo, é feita na China.

As empresas parceiras da Amazon acusadas de ligações com os programas chineses de mão de obra são: Luxshare Precision Industry (e mais duas subsidiárias), AcBel Polytech e Lens Technology.



TecMundo