Quando falamos em ciências, com certeza deve vir à sua mente a imagem de experimentos diversos, um senhor de cabelos grisalhos desarrumados e língua de fora, e um ícone bastante colorido, cheio de letrinhas e números, que é o terror de muita gente no ensino médio: a tabela periódica!

Neste texto, vamos falar mais sobre essa ferramente científica de irrefutável importância, como foi o processo de tabulação desses elementos e quem colaborou para sua formulação.

É comum pensarmos que ao desenvolver um modelo ou uma teoria, um pequeno grupo de pessoas tenha se debruçado sobre a tarefa e que logo a atividade estivesse concluída. Mas não! A tabela periódica teve diversas colaborações, e diferentes modelos e arranjos até que chegasse ao padrão que conhecemos hoje. E isso só levou quase 100 anos!

tabela periodicaTabela periódica atualizada obtida do site tabelaperiodica.org em 14 de abril de 2022Fonte: Tabelaperiodica.org

Partindo do princípio da jornada química, o primeiro cientista a conceber uma forma de organização dos elementos foi o químico francês Antoine Lavoisier em 1789, que agrupou os elementos de acordo com suas propriedades, separando-os em gases, não-metais, metais e terras.

Mas em 1829, o físico alemão Johann Wolfang Döbereiner criou o modelo de tríades, ao observar as similaridades entre as propriedades físicas e químicas dos elementos. Nesse modelo, os elementos eram organizados em grupos de três, por ordem crescente do peso atômico.

No entanto, algumas coisas mudaram após a primeira conferência internacional de química, realizada em Karlsruhe, Alemanha, em 1860.  Nesse evento foi apresentada uma lista revisada de todos os elementos químicos já conhecidos na época, e estabeleceu-se que o peso atômico do hidrogênio seria 1. Com isso, todos os demais elementos deveriam ter seus pesos atômicos definidos a partir da comparação com o peso do hidrogênio.

Após a definição desse padrão, a tabela periódica passou por mais algumas contribuições, como a do geólogo francês Alexandre-Emile Béguyer de Chancourtois, que propôs em 1862 um arranjo tridimensional dos elementos chamado de Parafuso Telúrico, que seria uma primeira classificação periódica.

Da esquerda para direita: Antoine Lavoisier, Johann Wolfang Döbereiner, John Newlands e Henry MoseleyDa esquerda para direita: Antoine Lavoisier, Johann Wolfang Döbereiner, John Newlands e Henry MoseleyFonte:  ASBMB Today 

A tabela Periódica também é polêmica!

Certamente, se você perguntar para alguém da área da química quem inventou a tabela periódica, o nome Dmitri Mendeleev, deve aparecer. Ele foi responsável pela organização dos elementos de acordo com sua massa atômica, mas não só isso. Mendeleev também separou os elementos em linhas e colunas respeitando suas propriedades, que se reproduziam de forma periódica de acordo com o aumento de seu peso atômico.  Deixou também lacunas entre os arranjos, para que novos elementos pudessem ser adicionados, conforme fossem descobertos. E habemus tabela periódica!

Mas nem todo mundo ficou feliz com isso. Quatro anos antes de Mendeleev publicar sua tabela, outro cientista havia proposto uma organização similar. O cientista britânico John Newlands havia proposto a Lei das Oitavas, a partir da observação de que a cada 7 elementos suas propriedades se assemelhavam. Sim, 7.  Newlands estava correto em sua observação, mas errou ao não deixar lacunas para elementos que pudessem vir a ser observados posteriormente. Devido a isso, e há alguns arranjos para que os elementos já conhecidos coubessem em sua teoria, o seu artigo foi recusado pela Sociedade de Química. Apenas em 1998 a Royal Society of Chemistry, reconheceu sua descoberta, e fez a colocação de uma placa comemorativa em sua cidade natal, Londres.

Tabela periódica é atualizada com novos elementos descobertos

Uma última peça do quebra-cabeças ainda precisava ser encaixada. Mendeleev havia percebido que dois elementos, Iodo e Telúrio, precisavam ser mudados de posição, pois não se enquadravam. Mas ele não sabia exatamente como fazer a mudança. Graças a Henry Moseley, em 1913, eles finalmente tiveram seu lugar ajustado na tabela. Com o desenvolvimento do Raio-X foi possível medir com mais precisão o número atômico desses elementos, e as peças finalmente estavam todas encaixadas.

A tabela é constantemente atualizada, mas ainda usamos o mesmo sistema de classificação para os elementos proposta por Mendeleev, e é uma importante ferramenta, não apenas para organização, mas também para previsão. Todos os elementos se correlacionam de alguma forma, e através dessas correlações, é possível prever se ainda há algo novo a ser descoberto. Por exemplo, entre os anos de 1994 e 2012, nove outros elementos foram adicionados a tabela.

A criação e desenvolvimento da tabela periódica é um ótimo exemplo da complexidade envolvida no desenvolvimento da ciência. Muito tempo e muitas pessoas estiveram e ainda estão trabalhando para que cada dia tenhamos mais conhecimento, que é construído pedaço a pedaço com muito esforço e dedicação.



Olhar Digital