O surto de uma das doenças mais mortais conhecidas – o ebola – foi registrado pela República Democrática do Congo, no sábado (23). Esse é o terceiro surto da doença no país africano nos últimos cinco anos.

O novo registro da doença teve início com um caso registrado na cidade de Mbandaka, na província de Équateur, às margens do rio Congo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um homem de 31 anos começou a apresentar sintomas compatíveis com ebola no dia 5 de abril e, após uma semana tratando em casa, buscou um hospital.  Na última quinta-feira (21), ele faleceu no centro de tratamento intensivo de ebola.

A partir daí, todos que tiveram contato com ele, passaram a ser monitorados.

Fonte: Cynthia Goldsmith/PIXNIO/Reprodução.Fonte: Cynthia Goldsmith/PIXNIO/Reprodução.Fonte:  Cynthia Goldsmith/PIXNIO 

Ebola: transmissão e imunização

Atingindo seres humanos e outros primatas como macacos, gorilas e chimpanzés, o vírus ebola foi detectado pela primeira vez em 1976, próximo ao Zaire, antigo nome da República Democrática do Congo. Embora o hospedeiro natural do vírus ainda seja desconhecido, especialistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) dizem acreditar que o microrganismo seja transportado por animais e que os hospedeiros sejam os morcegos.

Os principais sintomas da zoonose são: febre, dor de cabeça muito forte, fraqueza muscular, dor de garganta e nas articulações, e calafrios. As taxas de mortalidade em surtos anteriores variaram entre 25% e 90%. Felizmente, atualmente existe um tratamento eficaz disponível que pode beneficiar os pacientes que estejam no estágio inicial da doença.

Uma campanha de vacinação deve ter início nos próximos dias, utilizando estoques do imunizante rVSV-ZEBOV existentes naquele país.



TecMundo