A Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (NASA), em parceria com Agência Espacial Alemã, anunciou que o telescópio SOFIA (Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy) está observando a movimentação de duas estrelas binárias que estão entrando em eclipse.

Imagem composta do sistema estelar binário R AquariiImagem composta do sistema estelar binário R AquariiFonte:  NASA/CSC/SAO/STScI/Palomar Observatory/DSS/NSF/NRAO/VLA/LCO/IMACS/MMTF/Sankrit et al. 

Em 2018, ao observar a constelação de Aquário, o SOFIA identificou a estrela binária R Aquarii entrando em eclipse — uma estrela binaria é um sistema estelar constituído por duas estrelas que orbitam entre si. Assim, pela perspectiva de observação da Terra, a estrela menor começou a causar o eclipse e bloquear a estrela mais brilhante.

Segundo os pesquisadores, a menor das estrelas é uma anã branca, enquanto a maior e mais brilhante é chamada de variável Mira, uma classe de estrelas que passa por diferentes intensidades de luz durante mais de 100 dias. No caso do sistema R Aquarii, a variação acontece durante 387 dias.

Eclipse e periastro

O processo do eclipse ocorre durante o periastro do sistema estelar, previsto para chegar ao estado final em 2023 — periastro é o ponto da órbita em que as estrelas ficam mais próximas uma da outra. O eclipse da R Aquarii acontece a cada 43,6 anos.

Dessa forma, o telescópio pode analisar e descobrir a quantidade de poeira que está escapando da variável Mira e da anã branca. “É uma oportunidade de ver [o sistema estelar] de uma maneira única, porque o material que está sendo acumulado não é obscurecido pelo Mira”, disse o cientista da Universities Space Research Association, Steven Goldman.

O Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha, conhecido como SOFIA, é um telescópio criado em uma parceria entre a NASA e o Centro Aeroespacial Alemão com a intenção de oferecer um observatório aéreo de estudos — basicamente, é um avião operado com um telescópio de observação. O SOFIA está localizado no Centro de Pesquisa de Voo Neil A. Armstrong, na Califórnia.



Olhar Digital