O Google disponibilizou hoje (14) a primeira versão estável do Chrome OS Flex, sistema operacional gratuito que promete ressuscitar computadores e Macs antigos e/ou com hardware básico. O software foi lançado em modo beta em fevereiro, tendo recebido mais de 600 correções de bugs desde então, após o feedback dos testadores.

Desenvolvido a partir do aplicativo CloudReady, adquirido pela big tech há dois anos, ele é indicado principalmente para instituições de ensino e empresas cujos desktops e notebooks não têm mais suporte para as últimas versões do Windows e do macOS. Embora esteja fora do público-alvo, o usuário doméstico também pode instalá-lo sem restrição.

Segundo a empresa de Mountain View, o sistema operacional oferece uma experiência similar à entregue pelo Chrome OS convencional em um Chromebook, apesar da ausência de algumas funções. Com a sua instalação, os dispositivos que estavam lentos podem apresentar uma maior fluidez para executar programas e acessar a web.

Chrome OS FlexInstituições de ensino e empresas são os principais alvos do Chrome OS Flex.Fonte:  Shutterstock 

Reforçar a segurança dos computadores antigos é algo que o Chrome OS Flex também afirma fazer, surgindo como uma alternativa para as empresas que são alvo de ataques de ransomware. Conforme a desenvolvedora, ele tem ferramentas de proteção próprias, eliminando a necessidade de antivírus, e recursos para evitar a perda de dados em dispositivos roubados.

Requisitos para instalar o Chrome OS Flex

O sistema operacional do Google para computadores antigos se diferencia dos softwares concorrentes pelo menor rigor em relação aos requisitos mínimos para a instalação, que pode ser feita via pendrive, HD externo ou rede. Confira:

  • Processador: Intel ou AMD com arquitetura x86-64
  • Memória RAM: 4 GB
  • Armazenamento: 16 GB
  • Inicialização via USB disponível
  • Acesso de administrador à BIOS

Porém, vale destacar que processadores e placas de vídeo fabricados antes de 2010 podem ter uma “experiência ruim” com o sistema, segundo a gigante da tecnologia. A empresa ressalta ainda que os aceleradores gráficos da Intel, GMA 500, 600, 3600 e 3650, não atendem aos padrões de desempenho do software.

O Google disponibilizou uma lista com mais de 400 modelos certificados para o Chrome OS Flex. Aqueles que ficaram de fora não necessariamente são incompatíveis, eles apenas não foram testados, até o momento.



Olhar Digital